30/11/2018 - 15:52

Estudantes criam bloco ecológico com fibra de coco e fazem mutirão para construir imóvel em Casa Nova

Estudantes do Centro Educacional Antônio Honorato, em Casa Nova, na região Norte da Bahia, desenvolveram um bloco ecológico que utiliza a fibra do coco, abundante na região, em substituição à areia. O projeto ainda agrega outros materiais descartados pela construção civil e cria uma alternativa sustentável que contribui para a proteção do meio ambiente. Além disso, a iniciativa tem um foco social, pois irá utilizar o material em localidades carentes onde muitas residências são feitas de taipas.

Não à toa o projeto é intitulado “Bloco Ecológico com fibra de coco como alternativa para a substituição da taipa”. Os estudantes já conseguiram produzir uma quantidade suficiente para levantar um imóvel em Casa Nova. E neste domingo (2), eles participam de um mutirão com este objetivo, a partir das 8h, na Vila Papelão, atrás do Cemitério Central, com a supervisão de um mestre de obras envolvido no projeto.

A professora e orientadora, Andréa Araújo, disse que, durante o desenvolvimento da ação pedagógica, foi identificada uma família que poderia ser beneficiada com a experiência. A partir de então, foi feita uma campanha para a arrecadação de materiais como cimento, areia, porta, janela, vaso sanitário, entre outros. O alicerce da construção está pronto para o levantamento das paredes. Ela destacou que a atividade desenvolveu o olhar dos estudantes para as questões socioambientais e também estimulou o senso de solidariedade. “Ainda teve uma arrecadação de alimentos, que já somam cinco cestas básicas e serão distribuídas com os moradores da comunidade, que estão ajudando na construção”, disse.

A estudante Leide Vânia Nunes, 16 anos, do 2º ano do Ensino Médio, falou sobre o impacto socioambiental do projeto. “Conseguimos produzir um bloco que tem um custo 50% mais barato do que o tradicional. Dentro do projeto também realizamos um trabalho de campo para vermos a viabilidade do projeto com moradores que residam em casas de taipa. O objetivo é divulgar ao máximo o bloco sustentável para conseguirmos apoiadores que venham produzir em grande quantidade, para que possamos mudar a realidade da nossa região ajudando a quem precisa”, explicou.


Fonte: Ascom/ Secretaria da Educação do Estado