15/03/2019 - 14:19

Enel recruta startups com projetos de inovação socioambientais

A Enel, um dos principais players de energia em operação na Bahia, apresentou os desafios do edital de Inovação para Indústria, que está selecionando startups para projetos de Create Shared Value (CSV), conceito de negócios que estimula a criação de valor compartilhado, com foco em solução de problemas socioambientais no entorno de empreendimentos de energia renovável da empresa, no Brasil. O edital propõe três desafios, que foram apresentados em evento realizado nessa quinta-feira (14), em Salvador, em parceria com as secretaria estaduais de Desenvolvimento Econômico (SDE) e de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti).

Um dos desafios pede soluções para levar água potável a populações sem acesso a serviços de água tratada e esgoto. Alexandra Valença, Relações Institucionais da Enel, explica que as três propostas foram escolhidas a partir de problemas identificados no processo de construção das plantas de energia, em especial no semiárido, predominantemente na Bahia e no Piauí. “A água, em especial, é um recurso escasso, há um incremento do seu uso na construção e entendemos que temos obrigação de dar uma contrapartida por conta da utilização dessa água. Além, é claro, de ajudar a melhorar a qualidade do acesso à população dos territórios que estamos instalados”, afirma.

O segundo desafio diz respeito à diminuição da poeira que atinge residências próximas a construções de usinas fotovoltaicas e eólicas. O terceiro pretende resolver a gestão de resíduos sólidos e promoção do melhor aproveitamento do lixo no Nordeste brasileiro. O edital é realizado pela Firjan (sistema S do Rio de Janeiro) e a Enel é uma das empresas parceiras.

Atraída pelo desafio, a jovem Anna Luíza Beserra, fundadora da startup SDW Forall, afirma que desenvolveu o dispositivo “Aqualuz”, reconhecido pela ONU, para tratamento de água de cisterna usando luz solar. Ela explica que a tecnologia é inovadora e foi criada para simplificar o acesso do público alvo, que é a população do semiárido. Nesta região, há cisternas com boa qualidade de água, mas não recomendada para consumo.

“A tecnologia tem a durabilidade de 20 anos e atende ao primeiro desafio. Esse edital é perfeito para nossa startup. Nosso modelo de negócios é destinado para empresas que  tenham projetos de responsabilidade social ou socioambiental focados no semiárido. A Enel é um potencial cliente e essa é uma excelente oportunidade de trabalhar com eles e conquistá-los. Quem sabe após o edital a gente consiga fazer novas propostas e fechar um contrato grande”, vislumbra Anna Luíza.

O superintendente de Atração e Desenvolvimento de Negócios da SDE, Paulo Guimarães, destaca que é estratégico para o Estado o fomento à pesquisa tecnológica e o estímulo às startups: “Empresas desse segmento começam pequenas, chegam trazendo solução e, em pouco tempo, agregam valor ao produto, além de estimular os jovens. É importante que as startups saibam que podem contar com o apoio tanto do Governo do Estado, através da SDE e da Secti, quanto do Sebrae e do CIMATEC”.

 
Fonte: Ascom/ SDE